Mamãe ama meu revólver

Espaço inexistente onde o nada se transfigura em coisa nenhuma e mimetiza o vazio. minha cabeça.

Wednesday, January 25, 2006

sem cabelos
sem namorada
sem ter que servir
sem roupas limpas
sem um penteado definido

e sem mãe por uns dias, já que ela está MUITO furiosa comigo.

2006 tem se mostrado um ano sem parâmetros definidos.

Ano novo, Vida Nova? putz, levei a sério isso...

Sunday, January 15, 2006

diários do Rosa

essa praia é linda. Eu já tinha me esquecido da vista cinematográfica do terraço; do vento forte e marítimo da minha sacada; do sol nascendo vermelho no horizonte; das escadas de casa de árvore e das aranhas no banheiro subterrâneo.

tinha esquecido das argentinas lindas, e das argentinas feias e magrelas, feito modelos decadentes. tinha esquecido das morenas, perfeitas filhas da mãe terra, com suas réplicas de montanhas e encostas suaves.

tinha esquecido do gosto de poeira nos sapatos e do som da cerveja na boca. tinha esquecido cada passo morno da infância, de cada mergulho frio no mar, de cada grama recendendo seu cheiro de realidade.

eu me lembrei. lembrei de sensações, sotaques, desejos, passos, mergulhos. lembrei ao som das ondas quebrando, dos cigarros queimando, dos passos no assoalho de madeira.

lembrei da vida em cada mergulho purificador. desculpa, se não lembrei de ninguém...mas o mundo é bem maior que as pessoas.

eu lembrei de mim aqui. até acho que me reencontrei nessa água fria, nessa poeira macia, nessas encostas escorregadias.

me achei longe de tudo, mas me reencontrei com Tudo. "O resto é silêncio".