Mamãe ama meu revólver

Espaço inexistente onde o nada se transfigura em coisa nenhuma e mimetiza o vazio. minha cabeça.

Tuesday, June 27, 2006

e nessas horas

a gente pensa no Nada.
o Nada e suas infinitas possibilidades de coisa nenhuma; suas múltiplas faces invisíveis; suas milhares de palavras não ditas; seus pensamentos, de raciocínios ondulantes e surpreendentemente vazios; o Nada e suas regras inexistentes.

Em sua multiplicidade, ele é unitário. pois é, unicamente e inevitavelmente "O" Nada. nessas horas notamos a incapacidade titânica da nossa linguagem.

nessas horas o Nada me parece uma mulher.

Sunday, June 04, 2006

volta ao mundo

esse post é na verdade um comentário, um diálogo com o post do Pedro. leiam o dele.
http://blogofperseverance.blogspot.com/

essas vitrines são luminosas e chamativas. sempre tem um daqueles adesivos escritos "até 60% OFF" e quando tu vai ver tudo custa bem mais do que tu imagina.

essas vitrines tem manequins q se movem rápido e frenéticamente demais pra gente acompanhar, e as roupas trocam muito rápido.

E quando tu nota, já ficou anos assistindo esse espetáculo de velocidade e neon; tanto tempo que nehuma dessas roupas combina com tuas rugas.

tu pode dar voltas e voltas, e por caminhos diferentes. o problema é quando tu nota que os teus caminhos começam a se repetir em sua variedade. quando um deserto na Azerbaijão começa a perecer assustadoramente os arredores de Las Vegas. e tu descobre que no fundo tudo é terra, poeira e microorganismos; e que a grande volta ao mundo acontece dentro de ti, da tua cabeça.